Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 18

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 18

Ao levantar-se no dia seguinte, Agamémnon convocou a assembleia dos chefes e contou-lhes o sonho que tivera. Todos foram unânimes em aconselhá-lo que atacasse.

Todo o exército grego se pôs em marcha. Homens com suas armas e armaduras brilhando ao Sol, cavalos relinchando estridentemente atrelados às bigas, como grande onda vinda da praia, espalhavam-se em direcção à planície, deixando para trás apenas os escravos e os prisioneiros e alguns poucos doentes ou feridos. Porém, no extremo oeste ficaram todos aqueles que tinham vindo de Ftia com Aquiles. Cada chefe grego ía à frente dos seus guerreiros, montado na sua biga e levando ao lado um escravo para conduzir os cavalos. Os melhores guerreiros cavalgavam junto do chefe. Na primeira fila iam os nobres nas suas bigas, acompanhados também dos seus seguidores. E, por último, iam os homens que lutavam a pé. E foi assim que o exército grego avançou através da planície e somente Aquiles, Pátroclo e os mirmidões permaneceram quietos pois, desde a briga com Agamémnon, Aquiles nunca mais lutara, embora se irritasse por ficar inactivo. Os homens sob seu comando permaneceram nos navios, consertando e afiando as suas vestimentas e armas, jogando dados e outros jogos, praticando a arte de lutar ou treinando cães de caça, bebendo e procurando alimento para os seus cavalos nas margens do rio Escamandro e vendo passar o tempo lentamente.

Os gregos avançavam qual avassalador incêndio. O chão tremia sob o tropel dos cavalos que iam invadindo a planície.

Mas Júpiter, fiel à promessa que fizera a Tétis, enviou Íris aos troianos para os prevenir da aproximação dos gregos. Estavam eles reunidos em assembleia no palácio do rei Príamo. Insinuou-se a deusa entre eles e, tomando a forma de um dos filhos de Príamo, que se encontrava nas muralhas de vigia, disse-lhes:

- Preparai-vos, troianos, que os gregos aproximam-se e está prestes a terrível batalha. Vamos, Heitor! Se te atrasas, tudo estará perdido! Reúne os teus guerreiros e corre a combater!

<< Página Anterior

pág. 18 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 18

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site