Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 126

Capítulo 25: Capítulo 25

Página 126

Depois apanhou com uma das mãos o martelo, com a outra as tenazes e começou a fazer o escudo. Modelou uma roda imensa, utilizando principalmente o bronze, e malhou repetidas vezes para torná-lo forte e resistente aos golpes de lança. Terminada a estrutura do escudo, começou a lavrá-lo com desenhos maravilhosos. De suas mãos de artista ia surgindo a imagem do céu com todas as estrelas e constelações. Depois a terra com seus rios e montanhas, com todos os pormenores em relevo. Mais abaixo, figurou duas cidades: numa reinava a paz, noutra a guerra. Na primeira desenhou uma bela avenida na qual transitavam cortejas nupciais e havia festa e danças nas quais participavam os jovens. A cidade em guerra estava cercada por altas muralhas defendidas por homens armados contra um exército que a sitiava. Via-se o entrechocar das armas e o sangue a escorrer dos feridos.

Reproduziu também no escudo um campo de terra lavrada, onde rústicos camponeses realizavam a colheita. Um pouco adiante havia um homem a beber vinho, demonstrando evidente satisfação. Desenhou também uma vinha e um grupo de moças que colhiam as uvas, enquanto um menino cantava ao som de uma lira de ouro.

Sempre com incomparável perícia, Vulcano esculpiu no escudo algumas vacas que se dirigiam para férteis pastagens. Adiante elas encontram um touro debatendo-se nas garras de dois poderosos ledes. Os pastores aparecem e incitam os cães contra as feras, mas eles nada podem fazer e o touro perece.

O artífice divino fez também surgir no escudo de Aquiles um rebanho de brancas ovelhas, espalhadas sobre vale ameno. Outra cena era um grupo de lindas moças que, de mãos dadas, executavam uma dança festiva. Trajavam tónicas alvíssimas e os cabelos eram coroados de rosas. No centro, um poeta cantava ao som da lira e uma grande multidão assistia ao espectáculo.

Concluído o prodigioso escudo, Vulcano aprontou rapidamente a couraça, o capacete e as caneleiras, empregando o melhor material que encontrou na sua oficina. Juntou, depois, todas essas armas e foi entregá-las à mãe de Aquiles, que o aguardava no salão do palácio.

Rápida como o gavião, Tétis baixou do Olimpo e foi ao encontro do seu filho.

<< Página Anterior

pág. 126 (Capítulo 25)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 126

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site