Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 13: XIII

Página 145
XIII

Maurício mandou para casa o cavalo, no propósito de seguir os primos a pé. Estes enviaram também para o Cruzeiro os cães, as espingardas e os mais petrechos de caça.

Os dois manos riram por muito tempo da prosápia do regedor e não se deram por satisfeitos senão depois de terem conseguido fazer também rir Maurício, que, ao princípio, tentou admoestá-los.

- Deixa o assunto - disse afinal o padre.- Que destino levas?

- Nenhum.

- Nesse caso vem por nossa casa, que não te hás-de arrepender.

- Que há lá?

- Vem e saberás.

- O José recebeu ontem do Douro uns cascos prometedores - explicou o doutor.

- Adeus, adeus; aí estás tu a desfazer a surpresa. Deixa-o vir.

- Vou, - respondeu Maurício- mas havemos de seguir o caminho que eu disser.

- Mas onde diabo queres tu ir?

- Temos empreitada?

- Também vos prometo que se não arrependerão - insistiu Maurício.

- Ó rapaz, se são olhos pretos e cabelos fartos, dize, e vamos lá ver isso - alvitrou o padre.

- Olhos, cabelos, dentes, gesto, riso, figura, tudo uma perfeição - ampliou Maurício.

- Onde desenterraste essa maravilha?

- Chegou aqui há poucos dias.

- Não ponhas mais na carta.

- Já sei, - interveio o doutor - falaram-me nela. É a filha do Tomé da Herdade.

- Exactamente.

- E então ela sempre é essas coisas?

- Só te digo que eu ando cada vez mais doido por a rapariga. Isto cá dentro está em iminente perigo de explosão. Que admira, se nunca até hoje vi uma beleza assim?

- Estás bem bom. Ó rapaz, o mais que posso fazer é casar-vos. Conjungo vos - disse o padre, cantarolando.

- Em uma palavra, para vocês imaginarem o estado disto, basta que vos diga que me custou a conter a indignação quando ouvi há pouco a Ana do Vedor dizer-me que a Berta era um bom casamento para o filho.

<< Página Anterior

pág. 145 (Capítulo 13)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 145

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site