Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 37: XXXVII

Página 499
XXXVII

Maurício veio ao encontro da baronesa assim que esta saiu do quarto de D. Luís.

- Como deixaste meu pai? - perguntou ele.

- Mal e bem.

- Que queres dizer com isso?

- Mal, porque me inquieta o abatimento em que o vejo. Naquela idade!... Bem, porque o acho em excelentes disposições de se lhe aplicar um remédio heróico.

- Qual?

- Queres principiar hoje a tua carreira diplomática?

- De que maneira?

- Vais já daqui a casa do Tomé da Póvoa.

- Sim, e depois?

- É uma visita que lhe deves, visto que não te lembraste de lhe dar parte do nosso casamento.

- É verdade que não.

- Vai pois visitar Tomé. Repara que nem sequer me lembro de ter ciúmes de Berta.

- É uma prova de confiança, que te mereço.

- Sim? Mereces? Diz-te isso a consciência? Bom será. Vamos adiante. Em casa de Tomé contas qual o estado do teu pai. Fazes sentir a necessidade de que Berta volte para aqui, ou para o reanimar, do que só ela é capaz neste mundo, ou pelo menos para suavizar-lhe os últimos momentos e despedir-se dele. É provável que encontres objecções em Tomé, mas insiste; diz que teu pai se mostra magoado com a ausência de Berta, e que é um pecado imperdoável prolongar-lhe essa dor tão fácil de remediar. Finalmente não voltes sem ter resolvido Berta a vir hoje mesmo para aqui.

- E quais são os teus projectos?

- Ora quais hão-de ser? São casar Berta com Jorge. Está claro.

- Hás-de encontrar dificuldades.

- Já me pareceram maiores. O padre fez-nos, sem querer, um grande serviço. Meteu-se a advogar com tanto calor a aristocracia, que por pouco fazia de teu pai um democrata.

- Deveras?

- É verdade. Agora quatro carícias de Berta devem consumar a vitória. Vocês os homens levam-se por isso.

- Parece-te?

- Veremos se me engano.

<< Página Anterior

pág. 499 (Capítulo 37)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 499

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site