Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 29: XXIX

Página 401
XXIX

A baronesa a ninguém participou, além de Jorge, a sua partida para Lisboa. Havia muito tempo que os principais preparativos estavam feitos, e por isso o movimento dos criados, que lhe executaram as últimas ordens, não se tornou notado.

Na véspera, à noite, Gabriela demorou-se mais tempo no quarto do tio e deu-lhe a entender que brevemente teria de deixá-lo por alguns dias, porque a sua presença era necessária em Lisboa, mas que voltaria e que seria então para demorar-se mais tempo.

D. Luís mostrou a mesma oposição a este projecto que já por vezes manifestara; mas a baronesa desta vez insistiu mais e obrigou-o a conformar-se com a ideia de uma próxima separação.

Na manhã seguinte, às horas a que o velho fidalgo costumava receber a primeira visita matinal da sobrinha, estava ele já impaciente, porque ela lhe tardava.

Já mais do que uma vez erguera os olhos para o mostrador do relógio fronteiro, e espreitara através das cortinas para a altura do Sol, e de cada vez que fizera esta observação acabara-a suspirando.

O pobre doente tinha tanta necessidade de falar com Gabriela! Havia nada menos do que um longo e complicado sonho a contar-lhe. E ela sem aparecer.

Depois de muito esperar, D. Luís ouviu enfim mexer na chave da porta e voltou-se com ar de satisfação.

Mas a este vislumbre de esperança sucedeu um movimento de impaciência. Era frei Januário quem entrara.

O padre vinha com uns olhos de embasbacado, virando e revirando uma carta que trazia na mão.

- Que é? O que quer, frei Januário? - perguntou D. Luís com impaciência não disfarçada. Onde está Gabriela? Tenha a bondade de ir pedir-lhe o favor de vir falar-me.

- A Sr.ª baronesa?... Aí tem V. Ex.ª as notícias que posso dar-lhe a respeito dela.

<< Página Anterior

pág. 401 (Capítulo 29)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 401

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site