Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: XVIII

Página 233
XVIII

Ficaram apenas na sala Jorge, Maurício e a baronesa.

A indignação de D. Luís parecia haver desvanecido a energia de Jorge; a consciência do pobre rapaz, como que vacilando ao embate das violentas paixões paternas, quase lhe censurara a precipitação do passo que dera.

Igualmente abatido, Maurício sentia remorsos ainda mais vivos. Não podendo já duvidar da inocência do irmão, como perdoaria a si próprio as suspeitas e insultos com que o ferira?

Do vão da janela a baronesa observava-os imóvel e silenciosa.

Maurício ergueu enfim a cabeça, e tendo nos olhos ainda vestígios de lágrimas; hesitou alguns instantes; depois, por um desses movimentos prontos e irresistíveis, a que a violência dos afectos o provocava, caminhou agitado para Jorge.

- Jorge, - disse ele, íntima e sinceramente comovido - se ainda se não esgotou a generosidade da tua nobre alma, não me retires a afeição que por tanto tempo te mereci.

Jorge apertou-lhe a mão com afecto.

- Nunca ta retirei, Maurício. Podes crê-lo. Afligem-me alguns dos teus desvarios, principalmente porque sei que eles estão em contradição com os nobres sentimentos da tua alma. Mas para te perder a afeição não é isso motivo. Para mim és, nesses momentos, como uma criança que se vê a dormir à beira de um precipício. Inspiras-me, como ela, apenas sustos, e não cólera nem aversão.

E os dois rapazes abraçaram-se com efusão.

- Vamos, - disse a baronesa, intervindo - a situação precisa de que se pense nela seriamente. As pazes estão feitas, em boa hora; pensemos agora como gente de juízo.

- Antes de mais nada, Jorge, o que há de verdade em tudo isto?

- O que eu disse.

- Vê bem; fala-me com franqueza. Eu não acreditei no que de ti se espalhou. Concederia que Jorge pudesse praticar uma loucura, mas uma acção indigna, um abuso de confiança, sabia que não.

<< Página Anterior

pág. 233 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 233

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site