Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: VII

Página 72
VII

Frei Januário, dormida a sua regalada sesta, dispôs-se a fazer horas para a ceia, indo comunicar ao fidalgo a grande nova das suspeitas e subversivas disposições de espírito em que encontrou o filho mais velho.

Ainda D. Luís meditava nas mudanças que ia sofrer o regímen económico da casa e nas mais ou menos prováveis consequências delas, quando a voz fanhosa do padre procurador se fez ouvir à porta, articulando o costumado - licet? - E, sem esperar resposta, o padre frei Januário foi entrando.

- Ainda às escuras, Sr. D. Luís?!

- Nem sempre temos para nos alumiar luzes tão belas como esta - respondeu o fidalgo, designando o luar que já lhe inundava o quarto.

- Quer não; isto de luar não é lá das melhores coisas, e depois o ar da noite…

- A noite está que parece de Maio.

- Sim, mas sempre os vapores dos campos… Eu acho mais prudente acender a luz e fechar as janelas.

- Não me oponho, frei Januário, até porque temos que falar.

- Sim? Também tenho que comunicar a V. Ex.ª.

- Pois, muito bem. Vamos a isso.

Fecharam-se as janelas, vieram as luzes e dispôs-se tudo para a conferência.

D. Luís exigiu que frei Januário falasse primeiro.

- Visto isso, principiarei, e o que sinto é que seja para dar a V. Ex.ª notícias assustadoras - preludiou o egresso.

- Assustadoras! Que é afinal? Alguma insolente exigência de credor.

- Nada, nada; a coisa é outra. Trata-se do filho de V. Ex.ª.

- De Maurício? Que fez ele?

- Não, senhor; não é do Sr. D. Maurício que eu falo.

- Então? É de Jorge?

- Justamente. Eu conto a V. Ex.ª.

E frei Januário principiou a expor ao fidalgo os pormenores da discussão que tivera com Jorge ao jantar e a comentá-la com reflexões próprias. Horas antes, esta comunicação teria talvez produzido o efeito estupendo que o egresso calculara; mas a prévia entrevista de D.

<< Página Anterior

pág. 72 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 72

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site