Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 35: XXXV

Página 477
XXXV

Como homem a quem pesava a comissão que se propunha a desempenhar ali, Tomé da Póvoa, depois de cumprimentar o fidalgo e de abençoar a filha, foi direito ao fim da sua visita.

- Pois, Sr. D. Luís, eu venho aqui para buscar a rapariga se V. Ex.ª der licença.

Berta desviou para o fidalgo um olhar inquieto e investigador.

D. Luís não respondeu, mas correu-lhe pelos lábios um rápido sorriso, entre amargo e irónico.

Tomé, em vistas do silêncio do fidalgo, sentiu que não podia deixar de dizer mais algumas palavras de explicação, e por isso, enleado a forjar um pretexto que não lhe ocorria, acrescentou:

- Ela está sendo lá precisa... porque... sim, a minha Luísa, pelos modos... anda assim adoentada...

- Minha mãe está doente? - perguntou Berta com inquietação.

- Doente, doente... o que se chama doente, não digo, mas... E depois há lá uns milhos a arrecadar e os pequenos... E enfim, nesta época do ano, a casa de um lavrador... Os jornaleiros são muitos...

E a cada pretexto que mal apontava, Tomé erguia a vista para D. Luís a estudar-lhe na fisionomia o efeito da desculpa.

Mas de todas as vezes a achava cerrada na mesma expressão de reserva e de mistério.

De repente, porém, D. Luís fez um movimento, como se uma súbita resolução lhe acudisse, estendeu a mão para Berta, que se demorava ainda ao lado dele, e como que a impeliu de si e na direcção de Tomé, dizendo com afectada placidez:

- Aí a tem. Pode levá-la.

À estranheza com que Tomé o encarou, vendo-o fazer aquele gesto, correspondeu o fidalgo acrescentando em tom de amargura e sarcasmo:

- Não calculou bem o tempo. Antecipou-se. A ocasião não era ainda esta; por ora não estou enfeitiçado, bem vê.

Tomé julgou perceber vagamente o sentido destas palavras e corou dizendo:

- Ou eu entendo mal o fidalgo, ou quer dizer.

<< Página Anterior

pág. 477 (Capítulo 35)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 477

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site