Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: XIX

Página 247
XIX

O antigo solar da família da baronesa, chamado a Casa dos Bacelos, como que ao despertar de um sono de muitos anos, abrira à luz do dia as suas amplas janelas, reacendera o fogo nos lares apagados, e restaurara o movimento e a vida nos aposentos vazios.

Era a primeira vez, depois do seu casamento, que a baronesa voltava aos sítios onde lhe correra a infância, cujas suaves memórias ainda os povoavam. Ao ver de novo aquelas velhas paredes e aquelas árvores frondosas, ao seguir pelos extensos corredores, ao penetrar nas espaçosas salas e nos mais retirados gabinetes da casa, Gabriela, ainda que pouco propensa a melancolias, não pôde subtrair o espírito a uma impressão de saudade.

Vestígios mal apagados daquele tempo longínquo a cada passo lho relembravam; ali fora o teatro dos seus brinquedos e jogos, além estava um objecto ao qual se prendia a reminiscência de uma provação infantil, aquele era o lugar favorito de seu pai, acolá desenhava-lhe vagamente a sua recordação a imagem da mãe, que perdera em criança, e, dominada por esta influência, Gabriela suspirava e conhecia que ainda não morrera de todo em si o coração provinciano.

Mas uma tal disposição de espírito não podia durar muito. A baronesa era uma mulher de acção, e não se esquecia que tinha muito em que pensar e que fazer em virtude dos acontecimentos últimos da Casa Mourisca.

Não eram somente as canseiras de dona de casa que deseja acomodar convenientemente os seus hóspedes que a preocupavam, mas também, e mais ainda, o desejo de restituir àquela família a harmonia tão inesperadamente interrompida e de conciliar o irritado fidalgo com o filho, que pelo seu nobre proceder incorrera no desagrado do velho. Gabriela tomara deveras a peito esta pacificadora empresa; mas para isso era ainda cedo.

<< Página Anterior

pág. 247 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 247

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site