Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 28: XXVIII

Página 391
XXVIII

Tinham decorrido alguns dias desde que a baronesa principiara a receber de Maurício sinais inequívocos de um galanteio, que ela com as mais louváveis intenções favorecia.

Durante todo este tempo o leviano rapaz consagrara à sua nova paixão todos os instantes, suspeitava-lhe todos os pensamentos. Não perdia a menor ocasião de se encontrar com a prima e de renovar as cenas, que a agudeza de génio e a vivacidade de espírito de Gabriela sabiam rodear de atractivos inteiramente novos para a inexperiência do apaixonado moço.

Em época alguma tinham os criados conhecido Maurício tão caseiro como então: cessaram as suas correrias pelos arredores, e os cavalos só eram por ele tirados da ociosidade quando Gabriela se lembrava de passear pelos campos. Maurício era então certo a acompanhá-la.

Este estado de coisas inquietava porém a baronesa.

Caracteres como o de Maurício, por muito os ver na roda da sociedade em que vivia, já para ela não tinham segredos não estudados. Não confiava tanto no prestígio que actualmente exercia no ânimo de seu jovem e volúvel primo, que não temesse a influência que poderia exercer sobre ele a monotonia das impressões da vida que ele passava nos Bacelos.

A baronesa tinha, é verdade, imensos recursos para variá-las. Estava ainda longe de os dar por esgotados. Quando Maurício julgava ter conhecido a verdadeira feição moral de Gabriela, ela desiludia-o impressionando-o sob uma feição nova.

Umas vezes falava-lhe com uma seriedade maternal; outras parecia abrir-se-lhe na mais fraternal expansão; mostrava-se-lhe mais tarde reservada e discreta; depois satírica e espirituosa, e sempre cheia de encantos, que com perfeitíssimo conhecimento e uso da arte sabia fazer realçar.

Apesar disso, porém, a baronesa antevia perigos na prolongação daquela vida monótona, e sentia a necessidade de dar um golpe decisivo.

<< Página Anterior

pág. 391 (Capítulo 28)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Fidalgos da Casa Mourisca
Páginas: 519
Página atual: 391

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 18
III 25
IV 42
V 54
VI 62
VII 72
VIII 86
IX 102
X 114
XI 127
XII 137
XIII 145
XIV 155
XV 168
XVI 197
XVII 214
XVIII 233
XIX 247
XX 255
XXI 286
XXII 307
XXIII 317
XXIV 332
XXV 348
XXVI 358
XXVII 374
XXVIII 391
XXIX 401
XXX 414
XXXI 426
XXXII 440
XXXIII 450
XXXIV 462
XXXV 477
XXXVI 484
XXXVII 499
Conclusão 515
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site