Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 24

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 24

Mas a risonha Vénus, deusa do amor e da beleza, que tinha sido eleita por Páris como a mais bela das deusas imortais, não iria permitir que ele fosse assassinado e, envolvendo-o numa nuvem, levou-o de volta a casa. E lá o deixou, surpreendido, mas também agradecido por ter escapado com vida.

Menelau assistiu perplexo ao desaparecimento de Páris e, pegando na lança, procurou-o furiosamente pelas fileiras troianas, calculando que talvez estivesse escondido por algum companheiro. Mas, em boa verdade, poucos troianos o teriam feito, pois Páris era alvo de grande ódio devido à imensa amargura que trouxera a Tróia.

Helena assistira à luta da torre de observação e vira Páris completamente vencido por Menelau. Por isso, quando Vénus lhe veio dizer que aquele a esperava em casa, mal pôde crer nos seus ouvidos.

Apressou-se para ir ao seu encontro mas, enquanto seguia, silenciosa e pensativa, depois de ter revisto Menelau, seu generoso e fiel marido, intrépido e digno de respeito, a quem ela amara e escolhera entre tantos outro pretendentes, lamentou amargamente tudo o que fizera.

Encontrou Páris no seu próprio quarto, sorrindo satisfeito, mais parecendo ter chegado de uma festa do que de um campo de batalha.

Sentou-se sem olhar para ele e disse:

- Hoje fugiste de um homem que te é superior. Quantas vezes te gabaste perante mim de tudo aquilo que farias se te encontrasses alguma vez com Menelau num campo de luta! Tendo escapado ileso hoje das suas mãos, ousarás desafiá-lo de novo? Se o fizeres, serás um tolo!

Mas ele não se impressionou com as ásperas palavras dela e respondeu-lhe:

- Não me culpes de nada, pois os deuses estavam hoje do lado de Menelau. Noutra ocasião qualquer, talvez, quem sabe, me concedam a vitória. Sê gentil, Helena, e torna a sorrir para mim, pois continuo a amar-te. Em verdade, penso que gosto ainda mais de ti agora do que no dia em que tão voluntariamente abandonas a casa de Menelau.

<< Página Anterior

pág. 24 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 24

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site