Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 26

Capítulo 5: Capítulo 5

Página 26

Lisonjeado pelos louvores e seduzido pelas palavras astutas, sem ponderar mais, Pandaro agarrou no seu arco, colocou-lhe uma flecha com ponta de ferro e, antes que qualquer pessoa o conseguisse impedir, alvejou Menelau ao mesmo tempo que erguia uma prece a Apolo.

A flecha disparou, mas Minerva foi mais veloz e, colocando-se diante de Menelau, se bem que invisível para toda a gente, desviou-a do seu alvo. Apesar disso, a seta atravessou o cinturão de couro e atingiu a pele do grego, tendo no entanto a fivela de ouro impedido a penetração total; só a ponta de ferro conseguiu fazê-lo e manchou de sangue a túnica de Menelau.

Agamémnon, que se encontrava ao lado do irmão, exclamou horrorizado:

- Menelau, meu bom irmão, fui eu que te conduzi para a morte, pois confiei temerariamente na boa fé dos nossos inimigos. Dirão todos que causei a morte de meu irmão com a minha ingenuidade. E quando a guerra terminar e os gregos embarcarem de regresso, ficarás sozinho em solo estrangeiro para seres profanado pelos troianos que, saltando cheios de vaidade em cima da tua sepultura, se vangloriarão de que vim a Tróia em vão, só para aqui te deixar.

Mas Menelau, pouco impressionado com o ferimento, respondeu-lhe alegremente:

- Não passa de um arranhão. Repara como as farpas da flecha ficaram presas na fivela do cinturão. Acalma-te meu bom irmão, para que os meus homens não julguem que já estou a meio caminho da terra de Plutão.

No entanto, Agamémnon, que conhecia bem a coragem do irmão e a sua habitual maneira despreocupada de falar, não ficou muito tranquilo e mandou que o mensageiro Taltíbio  fosse buscar o médico para examinar o ferimento.

<< Página Anterior

pág. 26 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 26

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site