Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 111

Capítulo 21: Capítulo 21

Página 111

— Pouca atenção, Heitor, tens dado aos aliados que, longe da pátria e dos amigos, estão aqui a sacrificar-se por tua causa. Sarpedão, o grande chefe dos lícios, está morto, atingido pela lança de Pátroclo. Defendam ao menos o seu cadáver, não consentindo que o inimigo, irritado pelas muitas perdas que lhe temos infligindo, o ultraje.

Heitor ficou abalado com a notícia pois, embora Sarpedão fosse estrangeiro, era o chefe dos lícios e grandemente apreciado por todos e considerado um dos baluartes de Tróia.

Conduzidos por Heitor, os troianos retomaram decididamente o ataque esforçando-se por afastar os gregos do cadáver de Sarpedão, a fim de evite que o despojassem. Conseguiram até matar um dos mais valentes mirmidões, que mexia já no corpo do guerreiro abatido. Atirou-lhe Heitor cor uma enorme pedra à cabeça, rachando-a de alto a baixo. Mas Pátroclo enfureceu-se com a morte do companheiro e avançou com redobrado ímpeto, matando alguns dos fortes guerreiros troianos e obrigando o inimigo a retroceder, inclusive Heitor.

Meríones matou o famoso Laógono, ferindo-o por baixo do queixo Desejoso de vingança, Eneias atirou-lhe com a lança. Apercebendo-se disso, Meríones desviou o corpo e a arma foi cravar-se no chão. E assim si encarniçava a luta em torno do cadáver, que já era difícil de reconhecer tão coberto estava de poeira e de sangue.

Por fim, acabaram os troianos por ceder terreno e o próprio Heitor vendo-se desamparado dos deuses, subiu rápido para o carro e afastou-se concitando os guerreiros a segui-lo. Os gregos arrancaram do peito de Sarpedão a reluzente armadura. Nesse momento, porém, Júpiter ordenou a Apolo que descesse até ao campo de batalha e subtraísse o cadáver das mãos dos seus profanadores. Sem perda de tempo, Apolo obedeceu. Retirando o corpo do alcance das armas dos guerreiros, lavou-o, ungiu-o com óleo, vestiu-o com ricas roupagens e mandou transportá-lo para a Lícia, a fim de ser entregue aos chorosos parentes e amigos, para que lhe prestassem as últimas homenagens e lhe dessem condignas exéquias.

<< Página Anterior

pág. 111 (Capítulo 21)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 111

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site