Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: Capítulo X

Página 121
Era uma aventura bizarra e empolgante na bruma, uma revelação extraordinária, e saíra-lhe da boca como a coisa mais natural do mundo. Lutou contra esse impulso e então tornou-se consciente do silêncio. Disse-mo ele. Um silêncio de mar e de céu, fundido numa vastidão incerta, imóvel como a morte, parado, a envolver estas vidas salvas, palpitantes. 'Podia ouvir-se, no salva-vidas, o ruído do cair de um alfinete', disse, com uma curiosa contracção da boca, como um homem que tenta dominar a sua sensibilidade para contar um facto muito comovente. Um silêncio! Só Deus, que o criara, sabia o que se passava no seu coração. 'Eu pensava que não era possível haver na Terra outro lugar tão quieto como aquele', disse ele. 'Não se podia distinguir o céu do mar, não se ouvia nem se via nada: nem uma luz bruxulente, nem uma forma, nem um som. Chegava-se a acreditar que a Terra inteira se tinha afundado; que todos os homens, salvo eu e aqueles patifes que estavam comigo no barco, se tinham afogado.' Estava debruçado sobre a mesa com as mãos metidas pelo meio das chávenas do café, dos copos de licor e das pontas de charuto. 'Parecia-me que acreditava realmente nisso. Tudo desaparecera e... tudo terminara...', concluiu, arrancando do peito um suspiro profundo... para mim. »

Marlow sentou-se bruscamente e arremessou com força o charuto. Este partiu como um flecha e deixou um rasto vermelho, como um pequeno foguete lançado de entre as cortinas de trepadeiras. Ninguém se mexeu. «Eh, que lhes parece isto?», exclamou subitamente animado. «Era fiel si próprio, não era? A vida que salvara estava terminada para sempre por alta de chão onde pousar os pés, por falta de imagens para os seus olhos ar falta de vozes para os seus ouvidos. O aniquilamento, hem? E o que havia unicamente era um céu coberto de nuvens, um mar sem quebrar de ondas, o ar imóvel.

<< Página Anterior

pág. 121 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 121

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site