Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: Capítulo III

Página 19
Capítulo III

Uma calma admirável invadia o mundo, e as estrelas e a serenidade dos seus raios pareciam derramar sobre a Terra a certeza de uma segurança eterna. A lua nova recurvada, brilhando baixo, a oeste, era como uma fina apara cortada numa barra de ouro e atirada ao ar, e o mar Arábico, liso e fresco para a vista como um lençol de gelo, alargava a sua superfície perfeitamente plana até ao círculo perfeito do horizonte escuro. A hélice girava regularmente, como se o ritmo das suas pancadas fizesse parte do plano de um universo sem perigos; de cada lado do Patna, a água formava duas pregas profundas, estáveis e sombrias na superfície lisa na ténue claridade, que encerravam dentro das suas arestas rectas e divergentes alguns torvelinhos de espuma branca que rebentavam com um silvo abafado, ondas miniaturais, pequenas encrespaduras e ondulações, que, uma vez deixadas para trás, agitavam a superfície do mar durante um momento depois da passagem do barco, diminuíam com um leve esparrinhar e, finalmente, desapareciam na redonda tranquilidade da água e do céu com a mancha negra do casco do navio a avançar eternamente no seu centro.

Jim, na ponte, sentia-se penetrado por uma grande certeza de segurança e paz ilimitadas, que se podia ler no aspecto silencioso da natureza como se lê a certeza de um amor acalentador na expressão de ternura serena de um rosto de mãe. Sob o abrigo formado pelos toldos, entregues à prudência dos homens brancos e à sua coragem, confiantes no poder da sua incredulidade e no armamento dos seus navios, os peregrinos, de uma fé exigente, dormiam deitados sobre esteiras, sobre cobertores, sobre tábuas nuas, nos vários convés, em todos os cantos escuros, embrulhados em panos tintos, envoltos em farrapos sujos, com as cabeças apoiadas para descansar, em pequenas trouxas, com os rostos comprimidos contra os braços dobrados; os homens, as mulheres, as crianças; os velhos com os novos, os decrépitos com os robustos - todos iguais no sono, irmão da morte.

<< Página Anterior

pág. 19 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 19

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site