Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo IX

Página 107
Capítulo IX

«Dizia para mim: ‘Afunda-te - maldito! Afunda-te nela’ Foi com estas palavras que recomeçou a falar. Desejava que tudo estivesse terminado. Estava sozinho e formulava mentalmente estas imprecações contra o barco, enquanto gozava o privilégio de assistir a cenas - segundo depreendi - de baixa comédia. Andavam ainda à volta do tal perno do peão. O capitão ordenava: 'Meter debaixo e procurar levantar'; os outros naturalmente esquivavam-se. Compreendem que encontrar-se comprimido debaixo da quilha de um salva-vidas não era a posição ideal para ser colhido pelo afundamento repentino do barco. 'Porque não vai o senhor, que é o mais forte de nós?', dizia o maquinista baixinho, num tom lamuriento. 'Raios me partam! Sou gordo de mais', respondia atabalhoadamente o capitão, desesperado. Era tão cómico que até o Diabo se ria. Pararam um instante, e de repente o maquinista-chefe precipitou-se outra vez para Jim.

«'Venha ajudar-nos, homem! Está doido, quer atirar fora a única oportunidade de salvação? Venha ajudar-nos, homem! Oh, homem! Olhe ali... olhe!'

«E finalmente Jim olhou na direcção da ré para onde os outros apontavam com uma insistência de maníacos. Viu uma formação de nuvens negras, silenciosas, anunciadoras de tempestade, que devoravam já um terço do céu. Sabem como essas formações se apresentam naquela região, naquela época do ano. Primeiro vê-se apenas o horizonte escurecer; depois levanta-se uma nuvem, opaca como uma parede. Uma crista, direita, de névoa orlada de raios de um branco lívido começa a mover-se vinda do sudoeste e traga inteiras as constelações de estrelas; a sua sombra corre veloz sobre as águas e confunde o céu e o mar num abismo de escuridão. E tudo está calmo. Nem um trovão,

<< Página Anterior

pág. 107 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 107

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site