Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 35: Capítulo XXXIV

Página 333
Capítulo XXXIV

Marlow estendeu as pernas, levantou-se rapidamente, um pouco cambaleante, como se tivesse caído no chão depois de um salto no espaço. Encostou-se à balaustrada e encarou a fila desordenada das cadeiras de verga. Os corpos prostrados pareceram despertar do seu torpor com este movimento. Um ou dois endireitaram-se como que alarmados; aqui e ali ainda brilhava a brasa de um charuto; Marlow olhou para todos eles com os olhos de um homem que voltasse dos abismos insondáveis de um sonho. Ouviu-se alguém tossir; uma voz calma lançou um encorajamento num tom negligente: «E depois?»

«Nada», disse Marlow com um ligeiro sobressalto. «Ele contara-lhe a história e ela não a acreditava. Quanto a mim, não sabia se seria justo, correcto, decente, regozijar-me ou entristecer-me. Por minha parte, não sei dizer em que acreditava... De facto, ainda hoje não o sei e provavelmente nunca o saberei. Mas em que é que aquele pobre diabo acreditava? A verdade acaba sempre por triunfar... Não sabem que Magna est veritas et... Sim, se lhe dermos uma oportunidade. Há sem dúvida uma lei - mas é uma lei que também regula a sorte dos jogadores de dados. Não é a Justiça, a serva dos homens, mas o acidental, o acaso, a Sorte - aliada do Tempo paciente -, que mantêm um equilíbrio justo e escrupuloso. Ambos tínhamos dito a mesma coisa. Dissemos ambos a verdade... ou um de nós, ou nenhum a disse?... »

Marlow fez uma pausa, cruzou os braços em frente do peito e continuou num tom diferente:

«Ela disse que nós mentíamos. Pobre rapariga... Pois bem, entreguemo-nos à sorte, cujo aliado é o Tempo, que não pode ser acelerado, e cuja inimiga é a Morte, que não espera. Eu batia em retirada, um pouco desencorajado, devo confessá-lo.

<< Página Anterior

pág. 333 (Capítulo 35)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 333

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site