Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: Capítulo XVII

Página 191
Capítulo XVII

«Acabou por entrar, mas creio que foi principalmente por causa da chuva que caía naquele momento com uma violência inaudita, mas que abrandou gradualmente enquanto falávamos. A atitude de Jim era calma e firme, o seu comportamento o de um homem naturalmente taciturno dominado por uma ideia. Eu falava do lado material da questão, tinha apenas em mente salvá-lo da degradação, da ruína e do desespero que se apossam tão facilmente de um homem sem amigos e sem lar. Pedi-lhe que aceitasse a minha ajuda. Eu falava com moderação, e todas as vezes que levantava os olhos para o seu rosto absorto, tão grave e tão juvenil, sentia-me perturbado pela ideia de não lhe servir de ajuda, mas de obstáculo, a uma tentativa do seu espírito magoado, misteriosa, inexplicável e impalpável.

«Lembro-me de lhe ter dito com irritação: 'Suponho que tem a intenção de comer, beber e dormir debaixo de telha, como toda a gente. Diz que não pensa tocar no dinheiro do ordenado.'... Fez um gesto quase de horror. (Deviam-lhe três semanas e cinco dias de ordenado como imediato do Patna.) 'Bem, é uma quantia insignificante; mas que vai fazer amanhã? Para onde quer ir? Tem de viver... ' 'A questão não é essa', foram as palavras que pronunciou, em voz baixa. Fiz que não ouvi e continuei a combater o que julgava serem escrúpulos de uma delicadeza de consciência exagerada. 'Seja como for, é preciso que me deixe ajudá-lo.' 'Não pode', disse ele com muita simplicidade e suavemente, agarrado a uma ideia que eu podia ver a tremeluzir como a água de um pequeno charco no escuro, mas de que desesperava poder aproximar-me o suficiente para a sondar. Contemplei a sua figura robusta. 'Pelo menos', disse eu, 'posso ajudá-lo naquilo que vejo de si.

<< Página Anterior

pág. 191 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 191

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site