Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: Capítulo IV

Página 30
Capítulo IV

Mais ou menos um mês depois, quando Jim, em resposta a perguntas precisas, tentou dizer honestamente a verdade sobre esta experiência, fê-lo nestes termos ao referir-se ao barco: «Passou por cima lá do que foi com a facilidade da serpente a avançar sobre um ramo.» A imagem era boa: as perguntas visavam o esclarecimento de factos, e o inquérito oficial efectivara-se no tribunal de polícia de um porto oriental. Encontrava-se no banco das testemunhas e dominava a sala, com as faces a arder, naquele local espaçoso e fresco: as grandes armações dos pancás moviam-se suavemente para cá e para lá, muito por cima da sua cabeça, e de baixo fitava-o uma multidão de olhos em caras escuras, em caras brancas, vermelhas, caras atentas, fascinadas, como se toda aquela gente sentada em filas ordenadas de bancos estreitos estivesse subjugada pela sua voz forte, que ressoava surpreendentemente aos seus próprios ouvidos, e que era o único som audível no mundo, porque as perguntas terríveis e precisas que lhe extorquiam respostas e lhe pareciam assumir a forma da angústia e da dor dentro do seu coração chegavam até ele acerbas e silenciosas como as tremendas interrogações da consciência. Fora do tribunal, o sol escaldava; dentro, a agitação do ar provocada pelos enormes pancás fazia calafrios, a vergonha queimava, os olhos atentos feriam como punhais. O rosto do juiz presidente, barbeado e impassível, olhava-o, cadavérico, entre os rostos avermelhados dos dois assessores da Marinha. A luz de uma larga janela junto ao tecto caía de cima sobre as cabeças e os ombros dos três homens, que se distinguiam violentamente na meia-luz da grande sala do tribunal, onde o auditório parecia composto de sombras pasmadas. Queriam factos.

<< Página Anterior

pág. 30 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 30

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site