Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 39: Capítulo XXXVIII

Página 366
Capítulo XXXVIII

«Tudo começa, como já lhe disse, com um homem chamado Brown», assim dizia a frase inicial da narrativa de Marlow. «Você, que percorreu o Pacífico Ocidental, deve ter ouvido falar nele. Era o rufião-mestre da costa australiana - não que fosse visto muitas vezes por lá, mas porque entrava em todas as histórias de bandidos com que se obsequia um visitante vindo de Inglaterra; e a mais moderada dessas histórias que se contavam acerca dele, desde o cabo Iorque até à baía de Eden, era mais do que suficiente para enforcar um homem, se fosse contada no lugar próprio. Nunca deixavam de acrescentar que se presumia ser ele filho de um baronete. Seja como for, é certo que desertara de um barco inglês nos primeiros tempos das pesquisas do ouro, e em poucos anos começou a falar-se dele como o terror deste ou daquele grupo de ilhas da Polinésia. Raptava os nativos; roubava aos comerciantes brancos que viviam isolados tudo o que encontrasse, até mesmo os pijamas, e, depois de espoliar os pobres diabos, quase sempre os convidava para um duelo à espingarda na praia, o que seria bastante leal, neste género de actividades, se nessa altura o adversário não estivesse já meio morto de medo. Brown era um pirata tardio tão miserável como os seus mais célebres protótipos; mas o que o distinguia dos seus confrades de patifaria, como Bully Hayes ou o melífluo Pease, ou esse bandido perfumado, esse peralta de suíças à Dundreary, conhecido pelo Dick, o Porco, era o carácter arrogante das suas velhacarias e um desprezo veemente pela humanidade em geral e pelas suas vítimas em particular. Os outros eram simplesmente biltres vulgares e rapaces, mas ele parecia movido por qualquer intenção complexa. Roubava um homem como que para lhe demonstrar que não lhe ligava grande importância e punha no assassínio ou na mutilação de um estrangeiro pacífico e inofensivo uma aplicação selvagem capaz de aterrorizar o mais temerário dos aventureiros.

<< Página Anterior

pág. 366 (Capítulo 39)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 366

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site