Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 14: Capítulo XIII

Página 151
Capítulo XIII

«Depois de ter pronunciado estas palavras e sem uma mudança de atitude, entregou-se por assim dizer, passivamente a um estado de silêncio. Deixei-me ficar ao pé dele; e de repente, mas sem brusquidão, como se "esse chegado o tempo marcado para a sua voz pausada e áspera sair da mobilidade, exclamou Mon Dieu!, como o tempo passa!' Era a frase mais igual que se possa imaginar; mas esta expressão vocal coincidiu para mim com um momento de visão. É extraordinário como passamos na vida com os olhos meio fechados, surdos, e o cérebro entorpecido. Talvez seja um rem; e pode muito bem ser que seja esse entorpecimento o que torna a vida - suportável e tão doce à incalculável maioria das pessoas. Contudo, há pouca gente que não conheça um desses raros momentos de despertar, quando vemos, ouvimos, compreendemos tudo, num relâmpago, antes de voltarmos a cair numa sonolência agradável. Levantei os olhos quando falou e vi-o como não o tinha visto até aí. Vi-lhe o queixo enterrado no peito, casaco todo amarrotado, as mãos entrelaçadas, a atitude imóvel, tão curiosamente sugestiva da possibilidade de ter sido muito simplesmente ando ali. O tempo passara sem dúvida: tinha-o apanhado e passado à frente. Deixara-o para trás com algumas pobres lembranças: o cabelo grisalho, o duro cansaço da face curtida, duas cicatrizes, um par de dragonas sem brilho. Era um daqueles homens sólidos, de confiança, que são matéria-prima das grandes reputações, uma daquelas inúmeras vidas serradas sem honras públicas sob as bases de êxitos monumentais. 'Sou agora terceiro-tenente a bordo da Victorieuse' (era o barco-almirante da esquadra francesa do Pacífico nessa altura), disse ele, afastando um pouco as costas da parede para se apresentar.

<< Página Anterior

pág. 151 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 151

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site