Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: Capítulo XI

Página 135
Capítulo XI

Ouviu-me até ao fim com a cabeça inclinada para o lado, e eu entrevi; de novo através de um rasgão no nevoeiro em que se movia e no qual seu ser existia. A luz fraca da vela chiava dentro do globo de vidro, e era da claridade de que eu dispunha para o ver; nas suas costas estava a no com as estrelas claras, cujo brilho distante ordenado em planos recuados trai o olhar para as profundidades de outra escuridão ainda maior; e, contudo uma luz misteriosa parecia mostrar-me a sua cabeça de garoto, como naquele momento o rapazinho que existia dentro dele tivesse, durante momento, surgido e morrido. 'Que grande bondade a sua em ouvir - disse ele. - Faz-me bem. Não sabe o que isto significa para mim. Não e... ' Parecia faltarem-lhe as palavras. O que eu via nele era claro: um em daqueles que gostamos de ver à nossa volta; daquele género a que eramos de imaginar que já pertencemos e cujo aparecimento exige a participação das ilusões que julgávamos extintas, mortas, frias, e que, como reanimadas ao contacto de outra chama, têm uma vibração muito, muito fundo de nós próprios, algures, uma vibração de luz de calor!...Vi-lhe num relance o fundo da alma nesse momento e não foi última vez... 'O senhor não sabe o que representa para um indivíduo minha situação ter alguém que acredite nele - poder abrir o coração a um homem mais velho. É tão difícil, tão horrivelmente injusto, tão trincado!

«O nevoeiro voltara a cerrar-se. Não sei que idade me daria ele - nem e lhe pareceria muito sensato. Mas não me daria nem metade da idade se eu sentia ter nesse instante; nem metade da sensatez inútil que eu sentia possuir. Certamente em nenhum outro ofício como neste do mar aqueles que foram já lançados à água para se desembaraçarem pelos seus próprios meios olham com mais amor para os jovens ainda na margem, a contemplarem com um brilho nos olhos o esplendor da vasta superfície que é apenas o reflexo dos seus olhares de fogo.

<< Página Anterior

pág. 135 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 135

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site