Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: Capítulo XXVI

Página 268
Capítulo XXVI

«Doramin era um dos mais notáveis homens da sua raça que eu jamais vira. De estatura fora do vulgar para um malaio, não parecia apenas gordo, mas imponente e monumental. O corpo imóvel, vestido de tecidos ricos, de sedas coloridas e de bordados a ouro; a cabeça enorme, envolta num lenço vermelho e ouro; o rosto grande, gordo e redondo, sulcado de rugas, com duas pregas profundas e arredondadas que partiam de cada lado das narinas largas e ferozes para envolver a boca de lábios grossos; o pescoço de touro; a testa larga e enrugada sobranceira aos olhos penetrantes e orgulhosos - formavam um conjunto que, uma vez visto, nunca mais podia ser esquecido. A sua calma impassível (raramente mexia um membro uma vez sentado) era uma manifestação de dignidade. Nunca se ouvira dizer que tivesse levantado a voz. Emitia um surdo e poderoso murmúrio, ligeiramente velado, como se viesse de longe. Quando andava, dois jovens baixos e robustos, nus até à cintura, vestidos com sarões brancos e com um barrete preto no cimo da cabeça, sustinham-no pelos cotovelos; ajudavam-no a sentar-se e ficavam de pé por detrás da cadeira até que lhe aprouvesse levantar-se e nesse momento voltava a cabeça lentamente para a esquerda e para a direita, como que a custo; eles então seguravam-no pelos sovacos e ajudavam-no a erguer-se. Mas não tinha nada o aspecto de um inválido: pelo contrário, todos os seus pesados movimentos eram como que manifestações de uma força poderosa e reflectida. Supunha-se em geral que consultava a mulher sobre os negócios públicos, mas ninguém, que eu saiba, jamais os ouvira trocar uma só palavra. Quando se sentavam solenemente diante da larga abertura, permaneciam em silêncio. Viam a seus pés, à luz do crepúsculo,

<< Página Anterior

pág. 268 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 268

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site