Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: Capítulo X

Página 120
Não viram, luzes. Tudo estava negro. Um ligeiro chuvisco frio começava a bater-lhes o rosto. O salva-vidas balançava um pouco. Os dentes bateram mais depressa, pararam, recomeçaram a bater ainda duas vezes mais, antes de o homem poder dominar suficientemente o tremor para dizer: 'Mes... mes... mo a tem... tem... po... Brrrr!' Reconheceu a voz do maquinista-chefe afirmar de mau humor: 'Vi-o afundar-se. Por acaso tinha voltado a cabeça.' O vento amainara quase por completo.

«Ficaram a olhar no escuro com as cabeças meio voltadas para barlavento, como que à espera de ouvir gritos. Primeiramente ficara contente por a noite ter encoberto a cena aos seus olhos e, depois, saber que aquilo já acontecera; contudo, não ter visto nem ouvido nada pareceu-lhe o cúmulo de um azar terrível. 'É estranho, não é?', murmurou ele, interrompendo a sua narrativa desconjuntada.

«A mim não me parecia assim tão estranho. Ele deve ter estado inconscientemente convencido de que a realidade não podia ser, de longe, tão má, tão angustiosa, tão pavorosa, tão vindicativa, como os terrores criados pela sua imaginação. Acredito que naqueles primeiros instantes sentisse o coração torturado por todo aquele sofrimento, que a sua alma conhecesse o sabor de um medo infinito, de todo o horror, de todo o desespero de oitocentos seres humanos apanhados na noite pelas garras de uma morte violenta e súbita; senão, porque teria ele dito: 'Parecia-me que devia saltar daquele maldito salva-vidas e voltar a nado para trás meia milha... mais... fosse que distância fosse - para ver, no próprio lugar .. .' Porquê este impulso? Percebem? Porquê voltar ao lugar do desastre? Mais valia afogar-se ali onde estava - se pensava em se afogar! Porquê voltar para trás - ao lugar exacto para ver -, como se a sua imaginação precisasse de ser acalmada pela certeza de que tudo terminara, antes de a morte lhe trazer alívio? Desafio qualquer dos presentes a propor outra explicação.

<< Página Anterior

pág. 120 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 120

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site