Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 13: Capítulo XII

Página 142
É a única maneira que tenho de descrever o que se passou. Num momento vi-o com as costas apoiadas à balaustrada. Ali ficou de pé algum tempo, como que a admirar a pureza e a paz da noite. Um arbusto em flor espalhava um perfume muito activo no ar húmido. Voltou para junto de mim com passo apressado.

«'E isso também não tinha importância', disse ele com o ar mais obstinado que possam imaginar.

«'Talvez não', admiti. Eu começava a achar que era de mais para mim. No fim de contas, que sabia eu?

«'Houvesse ou não monos, eu não podia fugir - tinha de viver, não tinha?'

«Bem - ter tinha, se toma as coisas por esse lado, resmunguei. «'Piquei satisfeito, está claro', atirou ele descuidadamente a pensar noutra coisa; 'A revelação', pronunciou devagar, levantando a cabeça. 'Quer saber qual foi o meu primeiro pensamento quando soube? Fiquei aliviado. Fiquei aliviado ao saber que aqueles gritos - cheguei a dizer-lhe que ouvi gritos? Não? Pois bem, ouvi-os. Gritos de socorro... trazidos pelo vento com o chuvisco. Foi imaginação, creio. E contudo quase não posso... Que estupidez... Os outros não os ouviram. Perguntei-lhes mais tarde. Todos disseram que não. Não? E eu ainda os estava a ouvir! Eu devia ter compreendido - mas não reflecti, só me pus a ouvir. Gritos muito abafados. Dia após dia. Depois o mestiço baixinho veio ter connosco e falou-me: «O Patna… uma canhoneira da marinha de guerra francesa... rebocou-o até Adém… Investigação... Ministério da Marinha... A Casa do Marinheiro... tudo arranjado para a sua instalação!» Fui com ele e apreciei o silêncio. Não tinha então havido gritos. Foi imaginação. Tive de o acreditar. Deixei de os ouvir. Pergunto a mim mesmo quanto tempo os teria podido suportar. A coisa estava a piorar.

<< Página Anterior

pág. 142 (Capítulo 13)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 142

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site