Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 39: Capítulo XXXVIII

Página 367
Na sua época de maior glória possuía um barco de três mastros, armado, manobrado por uma tripulação mista de canacas e pescadores de baleias que tinham desertado, e gabava-se, e não sei se era verdade, de ser financiado em segredo por uma muito respeitável firma de mercadores de copra. Mais tarde fugiu, dizia-se, com a mulher de um missionário, uma rapariga muito jovem de Clapham que casara com um tipo mole e de pés chatos num momento de entusiasmo e que, transplantada de repente para a Melanésia, perdera um pouco o norte. Era uma história lúgubre. Ela estava doente na altura em que ele a raptou e morreu a bordo do navio. Conta-se, como a parte mais maravilhosa da história, que ele se abandonou a uma explosão de dor sombria e violenta sobre o corpo dela. A sorte abandonou-o, pouco depois. Perdeu o navio nuns escolhos no longo de Malaita e desapareceu por uns tempos, como se tivesse soçobrado com o veleiro. Em seguida ouviu-se falar dele em Nuka-Hiva, onde comprou uma velha escuna francesa que já não estava ao serviço do Governo. Que honrosa empresa teria ele em vista quando fez essa compra não sei dizer, mas é evidente que, com altos-comissários, cônsules, barcos de guerra e fiscalização internacional, os mares do Sul estavam a tornar-se demasiado quentes para cavalheiros da sua igualha. É óbvio que deve ter transferido o seu teatro das operações mais para oeste, porque um ano depois desempenhava um papel incrivelmente audacioso, mas não muito proveitoso, numa história trágico-cómica na baía de Manila, em que um governador concessionário e um tesoureiro contumaz são as personagens principais; depois disto parece ter-se fixado perto das Filipinas na sua escuna carunchosa e lutado contra a sorte adversa, e finalmente, seguindo o caminho que lhe fora traçado, qual cego cúmplice dos Poderes Ocultos, acabou por se ver envolvido na história de Jim.

<< Página Anterior

pág. 367 (Capítulo 39)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 367

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site