Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 44: Capítulo XLIII

Página 417
'Era capaz de me atirar pela borda fora? Ah, não me perdia', resmungou Cornélio, impertinente. 'Há muitos anos que vivo aqui.' 'Mas não os suficientes para se poder orientar em semelhante nevoeiro', disse Brown, que se recostou sem largar o leme, inútil, que lhe fazia balançar o braço para cá e para lá. 'Sim, o suficiente para isso', grunhiu Cornélio. 'Muito útil', comentou Brown. 'Quer fazer-me crer que é capaz de encontrar aquela saída de que me falou, às cegas, neste nevoeiro?' Cornélio assentiu com um grunhido. 'Estão demasiado cansados para remar?', perguntou instantes depois. 'Não, por Deus!', gritou Brown bruscamente. 'Deitem os remos à água.' Ouviu-se no nevoeiro um grande entrechocar de paus que se transformou pouco a pouco num ranger regular de remos contra toleres invisíveis. Tudo continuava na mesma, e, se não fosse o leve chapinhar das pás que cortavam a água, seria como remar na barquinha de um balão sobre uma nuvem, disse-me Brown. Daí por diante, Cornélio não voltou a abrir a boca senão para pedir, com voz lastimosa, que lhe esvaziassem a água da sua canoa, que vinha a reboque. O nevoeiro dissipava-se gradualmente e a visibilidade tomava-se cada vez maior. À esquerda, Brown via apenas escuridão, como se estivesse a olhar as costas da noite que se afastava. De repente, num enorme ramo coberto de folhas apareceu-lhe por cima da cabeça, e pontas de rebentos, imóveis e gotejantes, curvavam-se debilmente ao longo da bordagem. Sem uma palavra, Cornélio tirou-lhe o leme das mãos.»

<< Página Anterior

pág. 417 (Capítulo 44)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 417

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site