Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: Capítulo XI

Página 136
Há uma tão magnificente imprecisão nas esperanças que nos empurraram a cada um de nós para o mar, uma tão gloriosa incerteza, uma tão bela avidez de aventuras, que têm como recompensa apenas elas próprias! Aquilo que acabamos por receber... Bem, não falemos disso; mas poderá qualquer de nós impedir-se de sorrir? Em nenhum outro género de vida está a ilusão mais afastada da realidade... em nenhum outro é o começo uma ilusão tão perfeita... em nenhum é o desencante mais rápido... a subjugação mais completa. Não começamos nós todos core o mesmo desejo, não acabamos com a mesma experiência não carregamos nós com a lembrança do mesmo amado deslumbramento, através dos dias sórdidos de maldição? Que admira então se, quando uma forte aguilhoada nos atinge em cheio, achamos o laço demasiado apertado? Que admira se, para além da camaradagem do ofício, se sente a força de um sentimento mais vasto - o sentimento que liga um homem a uma criança? Ali estava ele na minha frente e acreditava que a idade e a experiência podem encontrar remédio contra o tormento da verdade, deixando-se entrever como um jovem enredado numa dificuldade diabólica, o género de dificuldade diante da qual os velhos respeitáveis meneiam a cabeça solenemente, enquanto escondem um sorriso. E ele estivera a decidir sobre a morte - diabos o levem! Encontrara esse tema de meditação porque pensava que tinha salvo a vida enquanto todo o encanto dela se perdera na noite, com o barco Que há de mais natural? Era suficientemente trágico e suficientemente cómico, certamente, para clamar compaixão, e em que era eu melhor de que os outros para lhe recusar a minha piedade? E enquanto olhava ainda para ele os rasgões no nevoeiro fecharam-se, e a sua voz fez-se ouvir:

«Sentia-me tão perdido, sabe? Era o género de coisa que nunca se pensa que nos possa acontecer.

<< Página Anterior

pág. 136 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 136

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site