Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: Capítulo IV

Página 31
Factos! Pediam-lhe factos, como se os factos pudessem explicar tudo!

«Depois de ter chegado à conclusão de que tinham ido de encontro a qualquer coisa que flutuava à superfície, digamos, com os destroços de um navio naufragado, o seu capitão ordenou-lhe que fosse à proa verificar se o barco ficara danificado. Pensou que isso era provável devido à força do embate?», perguntou o juiz assessor sentado à esquerda. Tinha uma barba rala em forma de ferradura, maçãs do rosto salientes, e com ambos os cotovelos apoiados na mesa enclavinhava as mãos grosseiras uma na outra em frente da cara, e os seus olhos azuis, pensativos, fitavam Jim; o outro, um homem pesado, desdenhoso, atirado para trás no assento, com o braço esquerdo estendido ao comprido, tamborilava suavemente com as pontas dos dedos sobre um mata-borrão: no meio dos dois, o magistrado que presidia, muito direito na ampla cadeira de braços, com a cabeça ligeiramente inclinada sobre o ombro, tinha os braços cruzados sobre o peito e flores numa jarra de vidro ao lado do tinteiro.

«Não pensei», disse Jim. «Ordenaram-me que não chamasse ninguém e que não fizesse barulho para evitar o pânico. Pensei que era uma precaução razoável. Peguei numa das lâmpadas que estavam penduradas debaixo do toldo e dirigi-me para a proa. Quando abri a escotilha do pique de vante, ouvi um barulho de água. Baixei então a lâmpada na direcção da inclinação dos rizes e vi que o pique de vante estava já inundado até mais do que metade. Compreendi que devia haver um grande rombo abaixo da linha de água.» Calou-se.

«Sim», disse o assessor gordo, com um sorriso cismado r para o mata-borrão; os seus dedos continuavam a brincar e a tocar o papel sem ruído.

«Não pensei nesse momento que houvesse perigo.

<< Página Anterior

pág. 31 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 31

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site