Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 45: Capítulo XLIV

Página 419
Neste sítio havia outro posto de vigilância, pois bradaram alerta. Tamb' Itam gritou o seu nome e, com duas remadas, impeliu a canoa para a praia. Era um grande acampamento. Os homens, acocorados em pequenos grupos, trocavam murmúrios abafados de conversa matinal. Muitos fiozinhos de fumo se enrolavam em espiral no nevoeiro branco. Pequenos abrigos altos tinham sido construídos para os chefes. Os mosquetes estavam ensarilhados em pequenas pirâmides e as lanças compridas, fincadas na areia, uma a uma, perto das fogueiras.

«Assumindo uma de importância, Tamb' Itam pediu que o conduzissem junto de Dain Waris. Foi encontrar o amigo do senhor branco deitado numa tarimba alta feita de bambu, protegida por uma espécie de telheiro feito de paus cobertos de esteiras. Dain Waris estava acordado e uma fogueira clara ardia diante do abrigo, que se assemelhava a um santuário rústico. O filho único do nakhoda Doramin respondeu com cordialidade a saudação de Tamb' Itam. Este começou por lhe entregar o anel que confirmava a verdade das palavras do mensageiro. Dain Wàris apoiou-se no cotovelo e pediu-lhe que contasse as novidades. Tamb' Itam começou pela fórmula consagrada - 'As novidades são boas' - e transmitiu as palavras de Jim. Aos homens brancos, que tinham partido com o consentimento de todos os chefes, devia ser franqueada a passagem do rio. Em resposta a algumas perguntas, Tamb' Itam narrou os trabalhos do último conselho. Dain Waris ouviu atentamente até ao fim, enquanto brincava com o anel, que acabou por meter no indicador da mão direita. Depois de ouvir tudo o que Tamb' Itam tinha a dizer, despediu-o e ordenou que lhe dessem comida e o deixassem descansar. Foram imediatamente dadas ordens para o regresso durante a tarde.

<< Página Anterior

pág. 419 (Capítulo 45)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 419

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site