Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo I

Página 5
As relações assim estabelecidas são cultivadas, todo o tempo que o barco permanece no porto, por meio das visitas diárias do corretor. Este guarda ao capitão fidelidade de amigo, tem para com ele a solicitude de um filho, a paciência de Job, a dedicação generosa de uma mulher e a jovialidade de um companheiro de farra. A conta só é mandada mais tarde. É uma ocupação bela e humana. Por isso os bons corretores são raros. Quando um deles possuidor da esperteza em abstracto reúne a vantagem de ter sido treinado para o mar, vale muito dinheiro e um pouco de paciência com os seus caprichos. Jim ganhava sempre bons ordenados e tinham com ele paciência bastante para comprar a fidelidade de um inimigo. No entanto, com negra ingratidão, ele costumava atirar de repente ao ar o emprego e partir. Para os patrões, as razões que dava eram, obviamente, inadequadas. Diziam «Maldito imbecil» logo que voltava as costas. Era esta a crítica que faziam à sua requintada sensibilidade.

Para os brancos ligados aos negócios marítimos e para as capitães dos navios, ele era apenas Jim - e nada mais. Tinha, é claro, outro nome, mas estava sempre ansioso porque não o pronunciassem. O seu incógnito, furado como um passador, não se destinava a encobrir uma personalidade, mas um facto. Quando o conhecimento do facto irrompia através do incógnito, ele abandonava repentinamente o porto onde se encontrava nessa altura e ia para outro - geralmente mais para este. Persistia em viver nos portos porque era um marinheiro exilado do mar e possuía a Capacidade em abstracto, o que não serve senão para ser corretor num porto. Retirava-se em boa ordem na direcção do sol nascente, e o conhecimento do facto seguia-o acidentalmente, mas com perfeita inevitabilidade.

<< Página Anterior

pág. 5 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Lord Jim
Páginas: 434
Página atual: 5

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Nota do Autor 1
Capítulo I 4
Capitulo II 12
Capítulo III 19
Capítulo IV 30
Capítulo V 37
Capítulo VI 60
Capítulo VII 82
Capítulo VIII 95
Capítulo IX 107
Capítulo X 119
Capítulo XI 135
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 151
Capítulo XIV 164
Capítulo XV 179
Capítulo XVI 184
Capítulo XVII 191
Capítulo XVIII 195
Capitulo XIX 205
Capítulo XX 212
Capítulo XXI 226
Capítulo XXII 235
Capítulo XXIII 242
Capítulo XXIV 251
Capítulo XXV 258
Capítulo XXVI 268
Capítulo XXVII 275
Capítulo XXVIII 283
Capítulo XXIX 292
Capítulo XXX 299
Capítulo XXXI 306
Capítulo XXXII 315
Capítulo XXXIII 322
Capítulo XXXIV 333
Capítulo XXXV 343
Capítulo XXXVI 350
Capítulo XXXVII 357
Capítulo XXXVIII 366
Capítulo XXXIX 376
Capítulo XL 385
Capítulo XLI 395
Capítulo XLII 402
Capítulo XLIII 410
Capítulo XLIV 418
Capítulo XLV 424
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site